terça-feira, setembro 06, 2005

Solilência - Literaturnost

Ah solidão
Em que toda a fala é soluço
É topeço de fala entalada
É suspiro de afago contido

Em que cada fala tentada
É lágrima de aconchego querido
É braço estendido no espaço

A solilência nasce do perfeito casamento da solidão e do silêncio

1 Comentários:

At 08 setembro, 2005 22:09, Anonymous Ro disse...

Juro pelas crianças que eu não tinha visto issoooo! Caralho!

Eu espero que Jung morra mil vezes mais só pelo contrato inconsciente...

Agora sim compreendo a furia da mulher hoje à tarde!

 

Postar um comentário

<< Voltar